Educação financeira: como começar?

Descubra como colocar a sua vida nos trilhos com educação financeira!
Por Equipe do Banco24Horas
21/07/2020

Todo mundo sonha em conquistar independência financeira, viajar mais vezes, acumular patrimônio, ter algumas economias e evitar apertos, não é? Saiba que a educação financeira é importante para isso.

Ter consciência do quanto ganha e de como você gasta o seu dinheiro é o caminho para realizar os seus objetivos e garantir uma boa qualidade de vida. Assim, poderá tomar decisões mais inteligentes para fugir do endividamento, fazer sobrar recursos no fim do mês e até criar um pé-de-meia para o futuro.

Quer saber como colocar a sua vida nos trilhos com educação financeira? Leia este artigo até o fim e descubra com a gente!

O que é educação financeira?

É um conjunto de informações e conhecimentos adquiridos ao longo da vida que ajudam você a tomar decisões bem pensadas. Com o tempo, é possível aprender como fazer renda, gastar de modo consciente e investir.

Vamos pensar no processo de aprendizagem lá nos tempos de escola para entender melhor. O professor ensinava alguma coisa — principalmente aquelas de aplicação prática no dia a dia — e você acabava mudando algumas atitudes a partir do que aprendeu, certo?

Todo esse conhecimento adquirido contribui para o nosso desenvolvimento. Afinal de contas, depois que a gente entende como algo funciona, passamos a fazer escolhas com uma base melhor.

No contexto da educação financeira, o processo está mais relacionado a tomar consciência para administrar melhor o seu dinheiro. E não importa o quanto você ganha, viu? Tirando muito ou pouco por mês, o importante é gerir bem esses recursos para pagar todas as contas em dia e até se planejar para o futuro.

Aliás, quanto mais cedo vier essa compreensão, melhor. É por isso que é interessante trabalhar a educação financeira desde a infância. Assim, as crianças já crescem sabendo que não dá para comprar tudo o que se quer, que é necessário planejar para comprar algum brinquedo mais caro, que tem que usar a mesada com sabedoria para ela durar o mês todo e por aí vai.

Por que a educação financeira é importante?

Porque ela permite que você viva melhor. Simples assim! No entanto, não estamos falando necessariamente de enriquecimento para conseguir comprar coisas. Na verdade, quando você controla o seu dinheiro, constrói uma vida mais tranquila, sem estresses. Vamos te contar a seguir quais são as vantagens da educação financeira.

Melhora a qualidade de vida

Não há nada pior do que estar no vermelho. A renda não dá conta de tudo, você fica inadimplente e não consegue curtir a vida por causa das dívidas. Sem contar aquele sonho idealizado há anos e que não sai do papel de jeito nenhum por falta de dinheiro.

O fato é que as preocupações financeiras tiram a nossa paz. E a educação entra nessa hora para garantir melhoria de vida. Você aprende a usar o seu dinheiro de modo inteligente para proporcionar felicidade no longo prazo.

Garante saúde e bem-estar

Você sabia que uma pessoa pode adoecer por causa dos problemas financeiros? É isso que mostra um estudo realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

De acordo com o levantamento, 69% dos inadimplentes sofrem de ansiedade por causa das contas atrasadas. Ainda são comuns quadros de estresse, depressão, distúrbios alimentares e até insônia. A falta da educação financeira pode ser uma grande motivadora desses casos.

Agora, se você tiver conhecimento sobre o assunto e souber administrar bem o seu dinheiro, não terá tantas preocupações. A saúde do seu corpo e da sua mente agradecerá por esse cuidado.

Possibilita sucesso profissional e pessoal

Uma boa educação financeira é básica no planejamento da carreira. Até porque você precisará de recursos para investir em qualificação e crescer profissionalmente, certo? Quem tem um negócio próprio precisa atentar ainda mais a essa questão.

Com sucesso profissional e habilidade para administrar o que você ganha, fica mais fácil realizar algumas metas pessoais. Pode ser comprar uma casa própria ou um carro, fazer uma viagem internacional e até viver de renda.

Permite o acesso a melhores oportunidades

Quem não se organiza financeiramente sempre paga mais caro pelas coisas. São juros para fazer compras parceladas, multas por atrasos e, além disso tudo, perdas de descontos, porque os pagamentos não são feitos à vista.

Entender bem sobre finanças é importante para identificar boas oportunidades ao comprar o que precisa e até investir parte do seu salário. Além de economizar com isso, você descobre que existem investimentos bem mais vantajosos que a poupança para fazer o seu dinheiro render.

Como a educação financeira faz parte do seu dia a dia?

A gente precisa de dinheiro para quase tudo! Mesmo que o gasto seja mínimo, é necessário pagar por moradia, alimentação, transporte, educação, diversão e por aí vai. O seu nível de conhecimento sobre finanças é o segredo para gerir essas coisas.

Tomar café da manhã em casa ou na padaria? Caminhar até o supermercado que fica na esquina da sua residência ou ir de carro? Comprar uma roupa nova ou investir o valor? A educação financeira está presente em cada escolha, das menores às maiores.

Mas não se trata de abrir mão dos prazeres da vida para economizar, viu? Na verdade, o conhecimento que você adquire nessa jornada ajuda a fazer escolhas mais inteligentes para ter uma vida confortável e segura.

Quais são os princípios da educação financeira?

O conhecimento transforma. No entanto, não adianta pegar uma informação aqui e outra ali. Uma vida sem preocupações passa por entender quais são os 6 pilares da educação financeira: antecipação, disciplina, resolução, cautela, prudência e satisfação. E a combinação deles vai ajudar você a melhorar de vida.

Antecipação

As compras por impulso passam bem longe da educação financeira. Pensar e planejar os seus gastos, principalmente aqueles que exigem investimentos altos, é a nossa recomendação.

Esse passo é fundamental para que o seu sonho não vire um grande transtorno ou fique estacionado por falta de dinheiro. Vamos ver um exemplo prático de como a antecipação é importante para a sua saúde financeira?

Imagine que você quer comprar um carro. O financiamento é a alternativa mais procurada, porque é possível pagar pelo bem em suaves prestações. Só que um erro muito comum cometido por quem compra um veículo nessas condições é pensar que o gasto extra será apenas o valor da parcela. E também há quem compre o bem sem saber se terá dinheiro para pagar.

A grande questão aqui é que o custo de um carro não se limita às prestações. Ainda aparecem gastos com seguro, impostos, combustível, estacionamentos, manutenções etc. Se você não planejar tudo isso, pode se embolar em dívidas e, no fim das contas, talvez precisará vender o carro.

Disciplina

Quem nunca foi à farmácia comprar um remédio e voltou para casa com a sacola cheia de cosméticos, suplementos e até alguns chocolatinhos, não é mesmo? Apesar de parecerem inofensivos, deslizes assim podem comprometer o seu planejamento.

É por isso que o autocontrole é a alma da educação financeira. Disciplina é a chave para planejar e executar tudo o que foi pensado. Tudo isso sem ceder às tentações que estão em todos os lugares.

Resolução

Esse pilar está relacionado à capacidade de agir e resolver problemas. Se você tem dívidas, por exemplo, busque se livrar delas. Aliás, até já mencionamos por aqui que a inadimplência pode prejudicar a saúde, lembra?

Faça um levantamento de todos os seus débitos e inclua até as dívidas com amigos e parentes se você tiver. Em seguida, planeje a quitação de tudo isso. Dê preferência para as contas com juros mais altos, como as de cartão de crédito e cheque especial.

Outra dica importante é tentar negociar. Da mesma forma que você quer se livrar da dívida, os credores também querem muito receber. Se negociar direitinho, dá para fazer um bom negócio.

Cautela

A vida é feita de surpresas. Algumas são boas, outras nem tanto. O fato é que, mesmo com planejamento, vários imprevistos vão surgir pelo caminho. É por isso que agir com cautela e guardar um dinheirinho para não passar sufoco é bem importante.

Esse fundo é conhecido como reserva de emergência e serve para pagar despesas inesperadas e que não podem ser adiadas. É o caso de:

  • medicamentos e despesas médicas na hipótese de acidentes ou doenças graves;
  • reparo ou reposição de bens indispensáveis, como computador de trabalho, geladeira e outros eletrodomésticos;
  • reformas urgentes na casa, como infiltrações, vazamentos, falhas elétricas, problemas no telhado etc.;
  • manutenção das despesas básicas em caso de desemprego ou invalidez temporária para o trabalho.

O ideal é que o valor guardado seja suficiente para cobrir as suas despesas por, pelo menos, seis meses. Se você precisa de R$1.500,00 mensais para se manter, por exemplo, pense na viabilidade de criar uma reserva no valor de R$9.000,00.

Além disso, é importante encarar os depósitos para a reserva como se fossem despesas fixas e obrigatórias. Até porque, se você esperar sobrar dinheiro, o processo será demorado e pouco efetivo.

Mais: o fundo serve apenas para urgências de verdade. Comprar uma roupa nova, ir a uma festa e trocar de celular são exemplos de situações que não deveriam comprometer a sua meta de economia, não é?

Prudência

Planejamento feito, dívidas pagas e reserva de emergência criada. Agora, já dá para esbanjar tudo que sobrar, certo? Opa! Mesmo com dinheiro no bolso, planeje-se para gastar com consciência. Tente responder às seguintes perguntas quando for comprar algo:

  • Eu quero muito isso?
  • Eu preciso disso?
  • Eu posso pagar por isso?
  • Eu devo comprar isso?

Honestidade nas respostas, hein? Às vezes, você acha que algo é indispensável, mas pode ser apenas o desejo consumista falando mais alto. Se, no final das contas, você nem usar o que comprou, vai ter jogado dinheiro fora. Esse recurso desperdiçado poderia ser investido e multiplicado e garantir uma aposentadoria tranquila. Algo interessante a se pensar, não é?

Satisfação

Essa é a recompensa por ter cuidado bem do seu dinheiro. A satisfação da educação financeira é de longo prazo, e não um prazer momentâneo proporcionado por uma compra por impulso. Assim, você vive com mais tranquilidade e bem-estar e ainda consegue realizar os seus sonhos.

Como garantir uma boa qualidade de vida com educação financeira pessoal?

Educação financeira: como começar? Educação financeira não é só teoria. O ideal é colocar todo o conhecimento que você adquiriu em prática, para ter os benefícios que aprendeu. Veja, a seguir, dicas para cuidar melhor das suas finanças.

Comece pelo diagnóstico financeiro

Quando você se sente mal e procura por um hospital, o médico sempre faz algumas perguntas e até pede alguns exames para fechar o diagnóstico, certo? Só depois de saber qual é a doença que ele prescreve remédios e indica o melhor tratamento. A lógica da educação financeira é bem parecida.

Antes de pensar em gastar, economizar ou investir, entenda como andam as suas finanças. Esse é o primeiro passo para adquirir consciência financeira. Nesse processo, é feito um levantamento completo de todos os ganhos, gastos, dívidas, patrimônio etc. Ou seja, tudo que envolva o seu dinheiro. Tudo isso para saber se as contas estão no azul ou no vermelho.

Controle as suas finanças

Manter um controle financeiro significa anotar todo dinheiro que entra e sai do seu bolso. O registro pode ser feito em uma caderneta, em uma planilha no Excel e até em aplicativos específicos.

O importante é anotar tudinho mesmo. Além das despesas básicas — como aluguel ou contas de água, energia, internet, entre outros —, é necessário registrar aquele cafezinho do meio da tarde, o sorvete de sobremesa, a pizza do final de semana e assim por diante.

O ideal é transformar esse controle em um hábito e atualizar a planilha diariamente. Sempre que comprar qualquer coisa, lembre-se de anotar o mais rápido possível. Caso contrário, correrá o risco de se esquecer como gastou aquele dinheiro. Esse rigor no registro dos gastos é importante para identificar despesas necessárias e até desperdícios.

Gaste menos do que você ganha

Essa pode parecer uma dica boba, mas precisamos falar sobre ela. Se você não fizer as contas que mostramos no passo anterior, por exemplo, terá dificuldades para entender por que falta dinheiro no final do mês.

Uma boa dica é pegar o valor total dos seus ganhos e abater a soma das despesas. O resultado dessa conta deve ser positivo. Se ele for negativo, significa que você gasta mais do que ganha. Nesse caso, cortar algumas despesas, para viver dentro da sua realidade financeira, pode fazer toda a diferença.

Para resolver esse problema, o melhor caminho é fazer um orçamento no início de cada mês. Nele, você vai limitar o quanto pode gastar com supermercado, transporte, cartão de crédito etc. E respeite esse orçamento, viu? Tudo isso para que os gastos não ultrapassem o valor dos rendimentos.

Pague suas compras com dinheiro vivo

Uma dica interessante para obedecer o limite definido no orçamento é pagar tudo com dinheiro vivo. Se você for ao supermercado com cartão de crédito ou de débito, por exemplo, e a compra ficar mais cara que o planejado, dá para pagar mesmo assim.

Sem contar nas tentações que podem aparecer pelo caminho: uma loja de roupas que está com promoção, o brinquedo que o seu filho tanto queria, um eletrodoméstico bacana e várias outras. Pagar no débito pode comprometer outras despesas que estavam no orçamento. Pagar no crédito traz os riscos de gastar um dinheiro que ainda não existe e acumular dívidas.

Por outro lado, se você sair apenas com R$100,00 no bolso, não vai conseguir gastar nada além disso. Essa dica vale para a compra de qualquer coisa. Com dinheiro na mão, é possível ter maior poder de negociação e até conseguir descontos mais atrativos.

No entanto, não é necessário — nem recomendado — sacar o salário todo do mês e deixá-lo guardado em casa. O ideal é fazer um saque por semana, com o valor exato que você poderá gastar naquele período.

Sabia que todo mundo que tem conta corrente tem direito a, no mínimo, 4 saques gratuitos por mês? É a quantidade de que você precisa. E dá para fazer esses saques em qualquer caixa do Banco24Horas.

Planeje seus objetivos

Ter controle financeiro não significa deixar de gastar e abrir mão das coisas que você gosta. A questão é que é essa disciplina que vai permitir a realização de sonhos que precisam de um grande investimento.

Quer comprar uma casa, um carro ou fazer uma viagem internacional? Coloque a meta no papel e comece a planejar. Pesquise o valor necessário e determine um prazo para a realização de tudo isso.

Assim, você consegue estimar o quanto precisa poupar mensalmente para concretizar seu sonho. Aí é só incluir o valor no orçamento e encarar o pagamento como se fosse uma despesa mesmo.

Faça escolhas conscientes

A dica é: não compre nada sem pensar. Sair para bater perna e voltar para casa com várias sacolas é uma delícia. Mas será que vale a pena trocar aquela viagem que estava planejada por esse prazer momentâneo?

Tire um tempinho para definir prioridades e observar os impactos negativos que as suas escolhas podem causar. Só vale a pena fugir um pouco do planejamento se a aquisição for ajudar a ganhar mais dinheiro.

Se comprar um computador novo for necessário para melhorar a sua produtividade no trabalho e, por consequência, a sua renda, por exemplo, você pode revisitar o orçamento e tentar fazer alguns ajustes para tornar a compra possível. No entanto, faça o cálculo primeiro e, se for viável, realize a compra.

Aproveite as oportunidades de economizar

Por que pagar uma lavanderia se você mesmo pode limpar as roupas em casa? Por que ir para à padaria de carro se é tão pertinho de casa que dá para ir a pé? Gastos supérfluos no seu dia a dia podem ser cortados para fazer sobrar dinheiro no fim do mês.

Vale até olhar de novo a sua planilha de controle financeiro para identificar pontos de desperdício. Com atitudes simples — como tirar a televisão da tomada todas as noites —, você consegue economizar na conta de energia. O mesmo vale para água, telefone, entre outros.

Outra dica legal é se organizar bem antes de ir ao mercado para fazer as compras do mês ou da semana. Com uma lista do que você realmente precisa, fica mais fácil seguir o objetivo e evitar distrações, não é mesmo?

Pesquisar bastante antes de comprar qualquer coisa também uma regra de ouro da educação financeira. Eletrônicos, móveis e eletrodomésticos, por exemplo, têm uma variação de preço bem significativa de uma loja para outra.

Invista o seu dinheiro

Já pensou que investir significa fazer o seu dinheiro trabalhar para você? Essa é uma alternativa para acelerar a realização dos seus sonhos e fazer um bom pé-de-meia para a aposentadoria.

Não precisa ter muito dinheiro para começar. Com R$30,00 no bolso, já dá para entrar no mundo dos investidores. Só que existem muitas alternativas no mercado, então pesquise direitinho qual opção é mais adequada às suas necessidades.

Para guardar a sua reserva de emergência, por exemplo, recomendamos fazer um investimento que permita o resgate a qualquer dia, sem perda de rentabilidade. Caso contrário, você corre o risco de não ter acesso ao dinheiro em situações emergenciais.

Já os investimentos de longo prazo servem para aqueles recursos que não serão usados tão cedo. A verdade é que, além de fazer o seu dinheiro multiplicar, os investimentos impedem que você gaste com o que não precisa. Faz sentido, né? Pois o dinheiro não estará nas suas mãos.

Se você for iniciante, as melhores opções são as aplicações em renda fixa, como:

  • Tesouro Direto;
  • CDB;
  • LCI;
  • LCA.

Sempre busque conhecimento sobre educação financeira

Educação nunca é demais. Quanto mais você estudar sobre finanças, melhor uso fará do seu dinheiro. Decidindo se aprofundar no assunto, será mais difícil cair em furadas de investimentos e acabar perdendo dinheiro.

E não precisa fazer uma faculdade para adquirir esse conhecimento não, viu? Na internet, você encontra muitos conteúdos bem didáticos sobre economia, planejamento e investimentos. Se você quiser ir um pouco além, pode até comprar alguns cursos livres.

Mas só tenha cuidado com as promessas mirabolantes de enriquecimento da noite para o dia. É importante ter um olhar atento e sempre buscar conteúdos de profissionais que são referências no mercado. Na dúvida, procure por mais duas, três e até mais de quatro opiniões.

Se chegou até aqui, você viu com a gente que educação financeira é fundamental para conquistar qualidade de vida e tranquilidade. Ao aprender a cuidar melhor do dinheiro, conseguimos tomar decisões mais inteligentes tanto para gastar quanto para investir o salário. Use as nossas dicas no seu dia a dia e veja o resultado na prática.

Aprendeu tudo sobre educação financeira? Então, que tal ajudar seus amigos? Divida esse conhecimento com mais pessoas compartilhando este post nas suas redes sociais!

Fique por dentro das nossas novidades.

Mais Lidos

Educação financeira: como começar?
Educação financeira
Educação financeira: como começar?
Limite de saque no Banco24Horas
Caixa eletrônico
Limite de saque no Banco24Horas? Tire suas dúvidas com a gente