Dinheiro em espécie: como o papel-moeda chegou ao Brasil?

Impressão do papel-moeda no Brasil teve início em 1810
Por Banco24Horas
03/11/2023
format_align_left 5 minutos de leitura

A série “Dinheiro em espécie” chega ao seu terceiro artigo com um assunto bem próximo de todos nós: a introdução do papel-moeda no Brasil. Depois de entendermos como o dinheiro surgiu e ganhou popularidade mundo afora, chegou a vez de olharmos para a sua evolução em nossas terras e falarmos das suas particularidades por aqui.

O papel-moeda na economia brasileira

Em nosso país, as moedas de prata e ouro guiaram as transações comerciais até o século XVII. A partir de 1700, a utilização das moedas não foi suficiente dada a sua pouca disponibilidade. 

Quando a família real chegou no Brasil (1808), a modernização do sistema monetário tornou-se necessária. O então rei de Portugal, Dom João VI, criou o Banco do Brasil, que se tornou o emissor das cédulas. Era preciso considerar o volume de ouro existente nos cofres públicos para emitir dinheiro em espécie. 

Quando D. João VI deixou o país, começou uma crise na economia. Ao retornar para Portugal, ele tinha explorado as reservas de ouro que estavam disponíveis em nosso território. Consequentemente, o dinheiro em papel passou por um processo de desvalorização, a inflação aumentou muito e ocorreram diversas revoltas que se estenderam do Primeiro Reinado (sob comando de Dom Pedro I) ao Período Regencial (entre 1831 e 1840, o Brasil foi governado por regências, pois o herdeiro do trono, Dom Pedro II, era menor de idade).

No Segundo Reinado, a produção de café melhorou. Por outro lado, os empréstimos internacionais e a exportação no setor do agronegócio levaram a um processo sistemático de desvalorização das cédulas. E assim foram os primeiros 100 anos do papel-moeda brasileiro.

Emissão do papel-moeda no Brasil

No Brasil, as primeiras notas foram emitidas pelo Banco do Brasil em 1810. O valor, contudo, era preenchido manualmente, como os cheques de hoje – o que facilitava as falsificações.

A impressão de dinheiro em espécie ocorre na Casa da Moeda a pedido do Banco Central do Brasil. Ele é responsável por uma análise criteriosa que identifica qual a quantidade de cédulas a serem fabricadas. Esse controle é necessário porque muito dinheiro circulando tende a provocar a desvalorização da moeda e o aumento da inflação. 

O dinheiro em espécie em nosso país apresenta hoje diversos recursos de segurança (como alto relevo, marca d'água e microimpressões), a efígie da República em um lado e, no outro, animais da nossa fauna nacional: 

  • R$ 2,00: tartaruga-pente;

  • R$ 5,00: garça;

  • R$ 10,00: arara;

  • R$ 20,00: mico-leão-dourado;

  • R$ 50,00: onça-pintada;

  • R$ 100,00: peixe garoupa;

  • R$ 200,00: lobo-guará.

As moedas, por sua vez, retratam algumas personalidades, como:

  • R$ 0,01: Pedro Álvares Cabral;

  • R$ 0,05: Tiradentes (José Joaquim da Silva Xavier);

  • R$ 0,10: Dom Pedro I;

  • R$ 0,25: Marechal Deodoro da Fonseca;

  • R$ 0,50: José Maria da Silva Paranhos Júnior (Barão do Rio Branco).

Até 2005, era fabricada a nota de R$ 1,00, que tinha a imagem do beija-flor. Mas ela foi trocada pela moeda de mesmo valor com a efígie da República. 

Curiosidade: o rosto da República nas cédulas e moedas brasileiras foi inspirado na imagem da Liberdade (representada em uma pintura de Eugène Delacroix como uma mulher que guia o povo francês). 

Entendemos até aqui, como o dinheiro em espécie surgiu e ganhou evoluções ao longo da história brasileira e mundial. Nos nossos próximos artigos da série, apresentaremos as vantagens que essa forma de pagamento proporciona para a economia e sociedade. Não perca!

Perdeu os primeiros episódios? Clique no link abaixo e confira agora:

EP 1: Dinheiro em espécie: vamos conhecê-lo melhor?

EP 2: Dinheiro em espécie: como surgiu o papel-moeda?

Fique por dentro das nossas novidades.
Segurança financeira
Baixe o e-book sobre segurança financeira
Planilha financeira
Baixe sua planilha financeira

Mais Lidos

nathalia-arcuri
Educação financeira
7 dicas de como começar a investir com Nathalia Arcuri, do Me Poupe!
como-conseguir-descontos
Educação financeira
Como conseguir descontos e economizar (muito) dinheiro?
sacar sem cartão (1)
Caixa eletrônico
Quais operações podem ser feitas sem o uso do cartão físico?
Recomendados para você

Verão24Horas: aproveite o verão com as dicas do Banco24Horas

Descubra como o Banco24Horas pode tornar seu verão inesquecível com saques, transferências e mais. Aproveite cada momento com segurança e conveniência.

Dicas para aproveitar o Carnaval com segurança e economia

Curta o Carnaval com segurança e economia! Descubra como o Banco24Horas oferece conveniência e descontos para uma festa sem preocupações

Saque no Banco24Horas: facilitando seu dia a dia com notas de menor valor

Descubra como o Banco24Horas facilita a sua vida com saques de notas de R$2, R$5 e R$10. Encontre o mais próximo com nosso app ou site

Deposite seus sonhos no Banco24Horas

Brasileiros sempre buscam ser "mais", como Carol, uma cozinheira que sonha em abrir seu restaurante e confia no Banco24Horas para alcançar esse objetivo

Como comprar gift card de forma fácil e segura?

Você sabia que os gift cards não estão disponíveis apenas nas gôndolas dos supermercados e conveniências? Novos métodos de compra são confiáveis e práticos.

Como presentear um gamer com Gift Card

O gift card caiu no gosto dos jogadores por ampliar o acesso aos jogos e benefícios nas plataformas digitais.

Peça seu empréstimo no Banco24Horas

O que você acha de solicitar um empréstimo e sacar o valor desejado em poucos minutos? Isso é possível nos caixas eletrônicos do Banco24Horas

Google Play aceita outras formas de pagamento além do cartão de crédito

Você não precisa ter cartão de crédito para realizar compras na Google Play Store. Inserir saldo na sua conta da plataforma é simples e prático!

VER TODOS OS CONTEÚDOS

keyboard_arrow_right
Fique por dentro das nossas novidades.
Deixe seu email aqui (fique tranquilo, não fazemos spam)