Liberdade financeira: como conseguir? A gente te conta tudo aqui!

Você quer isso na sua vida? Então, vem com a gente!
Por Equipe do Banco24Horas
15/10/2020

É bem estressante trabalhar apenas pra pagar boletos, não é mesmo? É uma rotina pesada que envolve sacrifícios e, muitas vezes, no fim das contas não sobra dinheiro pra nada. Essa é a realidade de boa parte dos brasileiros, mas ela pode ser mudada depois de conquistar a tão falada liberdade financeira.

Sabe por quê? Todos os sufocos — inclusive a inadimplência — podem ser resultados da falta de educação financeira e de planejamento. Ao organizar tudo direitinho e ganhar autonomia, é possível melhorar a qualidade de vida e viver sem se preocupar se a renda será suficiente pra pagar todas as despesas.

Quer saber como fazer esse sonho virar realidade? Chega mais, que vamos explicar tudo neste artigo!

O que é liberdade financeira?

É quando uma pessoa está com as finanças pessoais sob controle e tem autonomia pra escolher o que fazer com o seu dinheiro. Isso porque o pagamento de todas as despesas já está garantido.

Mas não significa que dá pra sair gastando tudo o que quiser e na hora que quiser não, viu? Na verdade, o conceito está mais ligado à liberdade de escolha mesmo. Quem tem liberdade financeira pode decidir se quer gastar ou não porque existe folga no orçamento pra isso.

Quer um exemplo de como essa liberdade pode afetar a sua vida? Ao chegar nesse patamar, a pessoa pode se dar ao luxo de recusar um trabalho que não gosta — ou que é mal remunerado —, pois não vai precisar dessa renda pra se manter.

Dá pra viajar no meio da semana e aproveitar aquela promoção de passagens áreas sem comprometer o orçamento mensal ou se endividar com o cartão de crédito.

Resumindo: ter liberdade financeira é ter estabilidade pra fazer planos, realizar sonhos e tomar decisões importantes, sem perder noites de sono por causa disso. É também se empoderar e ter flexibilidade pra aproveitar melhor a vida.

Qual é a diferença entre liberdade financeira e independência financeira?

É comum confundir os termos porque tanto a independência financeira quanto a liberdade financeira dão uma certa tranquilidade na vida da gente. O fato é que uma não depende da outra. Vamos explicar direitinho!

Muita gente pensa que a independência financeira está ligada ao fato de trabalhar e pagar as próprias contas, sem precisar da ajuda dos pais, do marido, da esposa, dos filhos ou de qualquer outra pessoa. Mas não é bem assim.

Quem necessita do salário que recebe todos os meses pra sobreviver não é tão autossuficiente quanto pensa. Afinal de contas, se essa pessoa perder o trabalho, vai ficar sem condições de se manter no longo prazo, não é mesmo? Ou seja, ela continua dependente, mas do emprego.

Ser independente financeiramente significa viver de renda. Na prática, a pessoa precisa ter um patrimônio acumulado que dê rendimentos suficientes pra bancar todas as suas despesas, sem precisar do salário.

Já a liberdade financeira está mais ligada à flexibilidade. Isso porque a renda é suficiente pra pagar as despesas do dia a dia, mas também existe uma folga no orçamento pra gastar como quiser. Aí, você tem autonomia pra escolher onde trabalhar, como investir, o que comprar, quando viajar e por aí vai.

Apesar de toda essa segurança e empoderamento, em nenhum dos casos a pessoa vai nadar em dinheiro, viu? Até porque isso é muito relativo. O que é considerado uma fortuna pra uns, pode ser pouco pra outros.

Lembre-se de que a quantia necessária pra conquistar liberdade financeira depende do seu estilo de vida.

Por que é interessante buscar a liberdade financeira?

Você já deve ter ouvido falar por aí que o dinheiro não traz felicidade, certo? Por outro lado, sabe que a falta dele gera muito estresse e tira a paz da gente.

Buscar a liberdade financeira, portanto, é uma forma de reduzir as preocupações pra se dedicar à sua qualidade de vida. Olha só como ganhar autonomia pode fazer a diferença!

Poder trabalhar por prazer

Muita gente busca a liberdade financeira pensando que vai poder parar de trabalhar pra curtir a vida. Se combinar com a independência financeira, é possível se aposentar mais cedo mesmo, porém, não é o ideal.

O legal desse empoderamento é a possibilidade de se livrar das obrigações chatas e começar a fazer o que você realmente gosta pra ganhar dinheiro.

Então, dá pra pedir as contas daquele emprego que não oferece satisfação nenhuma — nem pessoal nem profissional — pra se arriscar um pouco. Essa é a hora de se dedicar àquele ofício que sempre quis, mas desistiu no meio do caminho por medo de não conseguir se sustentar com ele.

Nesse contexto, é possível abrir uma empresa própria ou prestar serviços sob demanda. Apostar em modelos de negócios baseados em economia compartilhada é uma boa pedida porque não será necessário mexer no patrimônio pra fazer o negócio decolar.

Ter flexibilidade de horários

Sabe aquelas férias inesquecíveis que a gente daria tudo pra aproveitar mais alguns dias? Muitas vezes, isso não é possível por falta de orçamento ou por causa da data de volta ao trabalho. Pois bem, a liberdade financeira também está ligada a essa flexibilidade e autonomia de escolha.

Você pode tirar férias longas se quiser, aproveitar um ano sabático pra fazer um intercâmbio cultural, reduzir a carga de trabalho pra passar um tempo de qualidade com a família, viajar no meio da semana sem se preocupar com o dinheiro que está deixando de faturar nesse período etc.

Melhorar a qualidade de vida

Imagine só colocar a cabeça no travesseiro e dormir sem pensar em como pagar até mesmo as despesas básicas do dia a dia. A tranquilidade que a liberdade financeira traz parece coisa de outro mundo, certo?

Se alguém da sua família tiver uma doença grave, por exemplo, você vai ter recursos pra resolver esse problema? Se sim, é uma preocupação a menos. Além disso, dá pra realizar grandes sonhos que trazem felicidade.

E nem sempre as conquistas envolvem bens materiais. Boas experiências — um jantar especial, um passeio com as crianças ou uma tarde no cinema, por exemplo — criam memórias positivas e deixam a vida mais feliz.

Aproveitar boas oportunidades

Sabe quando alguma coisa que queremos muito entra em promoção e, mesmo assim, não dá pra comprar por falta de dinheiro? E se a casa dos nossos sonhos é colocada à venda por um preço bem legal e não temos condições de concretizar o negócio?

Quando se tem uma folga no orçamento, é possível pagar menos pelos itens que desejamos. Então, a questão da liberdade financeira não é só ter recursos pra gastar na hora que quiser, mas aprender a usar o orçamento pra aproveitar melhor as oportunidades — seja pra comprar alguma coisa, seja pra investir.

Se você chegou até aqui, já deve ter se convencido de que conquistar liberdade financeira melhoraria a sua vida, não é mesmo? Mas a pergunta que não quer calar agora é: como conseguir isso, afinal? Vamos dar algumas dicas práticas no próximo tópico!

Como conquistar a liberdade financeira?

Antes de tudo, é bom deixar claro que é possível chegar a esse patamar ganhando muito ou pouco. Até mesmo quem está afundado em dívidas pode resolver essas questões pra ganhar tranquilidade no campo das finanças.

Mas já adiantamos que não é fácil, viu? No entanto, com foco e organização, dá certo. Abaixo, vamos dar algumas orientações valiosas que todo mundo precisa pra conquistar autonomia na hora de gastar o dinheiro.

Analise as finanças pessoais

Você tem noção de quanto ganha e quanto gasta todos os meses? Sabe qual é a porcentagem dos seus rendimentos que fica comprometida com despesas fixas? E as variáveis? Se tem dívidas, sabe qual é o tamanho exato delas?

O primeiro passo rumo à liberdade financeira é entender como está a sua situação. É nesse momento que colocamos todas as contas na mesa pra calcular direitinho quanto é necessário pra sobreviver e concluir se os ganhos são suficientes.

Com a economia digital, é fácil encontrar aplicativos gratuitos que facilitam esse controle. Além de permitir o entendimento de quanto dinheiro falta pra sair do vermelho — se esse for o caso —, essa conta ainda mostra qual é a renda ideal pra ter um futuro tranquilo.

Faça um planejamento financeiro

O planejamento é o segredo pra alcançar a liberdade financeira. Ao criar essa programação, você faz projeções sobre o futuro e elabora um plano de ação com o passo a passo pra chegar lá. Nesse escopo, nosso conselho é definir os seguintes aspectos:

  • objetivo:

    o que se busca ao final dessa jornada. Sabemos que, de modo geral, é liberdade financeira, mas, aqui, a ideia é que o alvo seja bem específico, sabe? Por exemplo, formar um patrimônio no valor de “X” reais pra poder viver de renda e ainda ter uma folga no orçamento pra gastar como quiser;

  • metas (de curto, médio e longo prazo):

    são as medidas necessárias pra alcançar o objetivo. Por exemplo, reduzir uma porcentagem das despesas, arrumar um trabalho extra pra aumentar a renda, investir uma parcela do salário todos os meses e por aí vai;

  • prazo:

    em quanto tempo você pretende alcançar a liberdade financeira? Seja realista pra não se frustrar pelo caminho. Quem ganha um salário mínimo, por exemplo, não vai conseguir juntar R$1 milhão em um ano. Ou seja, faça as contas — com base na análise financeira, no objetivo e nas metas — pra estimar esse prazo direitinho.

Quite as dívidas

Se tem uma coisa que tira o sono de muita gente são as dívidas. Elas são como bolas de neve que não param de crescer. E tem mais! Fica difícil para um inadimplente construir patrimônio, uma vez que os credores podem entrar com ações judiciais pra pedir o bloqueio de bens e até de valores em contas bancárias e de investimentos.

Então, é melhor resolver a situação, concorda? Se esse for o seu caso, some o valor das dívidas em aberto e procure os credores pra negociar. Dá pra fazer acordos interessantes às duas partes com uma boa conversa. É possível conseguir, inclusive, descontos pra pagar tudo de uma vez ou parcelar.

Entretanto, depois de se livrar do problema é importante aprender a lição. Busque manter o orçamento sob controle, pagar o cartão de crédito em dia e evitar usar o cheque especial pra não se endividar novamente.

Controle os gastos

É difícil resistir à tentação de pegar aquele chocolate na fila do caixa do supermercado, beber refrigerante durante o almoço todos os dias ou comprar um vinho sem ter uma ocasião especial, não é verdade?

Sozinhos esses gastos podem até parecer insignificantes, mas é de grão em grão que a galinha enche o papo. No fim do mês, você pode se surpreender ao somar o quanto gastou com coisas supérfluas. Lembre-se de que é preciso ter autocontrole pra conquistar o prêmio lá da frente — a sua liberdade financeira.

Sendo assim, a nossa recomendação é visitar o orçamento e procurar por gastos desnecessários que podem ser cortados. E essa medida pode ser tomada por pessoas com qualquer faixa de renda. Afinal de contas, também é possível economizar dinheiro ganhando pouco.

Quem paga por um plano de controle para o celular, por exemplo, mas não usa o pacote inteiro, pode migrar para o modelo pré-pago ou escolher uma opção mais barata. Fazer uma lista antes de ir ao supermercado também é interessante pra limitar o valor das compras do mês.

Tome as melhores decisões com o seu dinheiro

Não é só porque um produto está em promoção que vale a pena comprar. Se for uma coisa que você não usa, terá gastado à toa de qualquer jeito. É interessante observar que a gente compra muita coisa por impulso, sem motivos racionais envolvidos.

Então, é legal tentar mudar esse hábito e refletir com calma antes de fazer alguma aquisição, principalmente aquelas que exigem um investimento maior.

Se voltar pra casa, respirar fundo, fizer algumas pesquisas on-line, comparar preços na internet e até esperar alguns dias antes de tomar uma decisão, pode ser que você perceba que a compra não é tão necessária assim e desista.

Crie um fundo de emergência

O fundo de emergência é uma reserva financeira destinada pra cobrir imprevistos, como:

  • despesas médicas em casos de acidentes ou doenças repentinas;

  • conserto ou compra de bens indispensáveis como geladeira, fogão, computador de trabalho etc.;

  • manutenção das despesas da casa se a pessoa ficar desempregada.

Sabe por que ter esse dinheirinho guardado é importante? Pra sentir segurança e liberdade de verdade. Assim, vai poder gastar a sua renda como quiser, sabendo que existe uma reserva pra te socorrer se algo grave acontecer.

O que recomendamos é juntar o valor suficiente pra bancar seu custo de vida por cerca de seis meses. Vale lembrar que a reserva é pra emergências mesmo, combinado? Comprar um celular novo se o atual estiver em perfeito funcionamento, por exemplo, não é o caso.

Invista parte da sua renda

Em vez de trabalhar pra ter dinheiro, já pensou se fosse o contrário: o dinheiro trabalhando pra você? Essa é a mágica dos investimentos. Os recursos se multiplicam e deixam a conquista da liberdade financeira cada vez mais próxima.

É por isso que é legal separar uma parte dos ganhos pra investir. O percentual aconselhado pelos especialistas é de, pelo menos, 20% da renda.

Além disso, é legal encarar esses pagamentos como se fossem despesas fixas mesmo, sabe? Pense bem: ninguém espera sobrar uma quantia no final do mês pra pagar o aluguel, certo? É um valor programado. Aplique a mesma lógica aos investimentos: guarde uma parcela pra isso logo que o dinheiro entrar.

Assim, não se corre o risco de cair em tentação e gastar com coisas desnecessárias. Mas, afinal, onde investir? Existem, entre outras, as seguintes opções:

  • Tesouro Direto;

  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA);

  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI);

  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);

  • Fundos Imobiliários (FIIs);

  • ações.

Pra escolher qual dessas alternativas é a melhor no seu caso, identifique qual é o seu perfil de investidor, que pode ser:

  • conservador:

    prefere opções seguras — de baixo ou nenhum risco. Apesar de a rentabilidade ser menor, ela é garantida;

  • moderado:

    a pessoa está disposta a fazer investimentos de médio risco. A rentabilidade é um pouco maior, mas ainda existe uma boa segurança de retorno;

  • agressivo:

    procura maior rentabilidade e está ciente de que pode perder parte do que investiu — ou tudo.

Se você está entrando nesse mundo agora, vá com calma e não tenha vergonha de se assumir como perfil conservador. A nossa recomendação é se aprofundar no assunto pra entender muito bem o mercado antes de arriscar.

Além disso, nossa recomendação é ter uma carteira de investimentos diversificada. Não dá pra colocar todo o dinheiro em único lugar e correr o risco de perder 100% do patrimônio de uma vez, não acha?

Quais são as vantagens de ter dinheiro físico em mãos?

Lá vai mais uma dica pra conquistar rapidinho a liberdade financeira: usar dinheiro em espécie nas compras. Sabe por quê? Fica fácil limitar os gastos e garantir um consumo consciente.

Quando saímos com R$50 pra fazer a feira, por exemplo, não podemos gastar além disso. Com o cartão, é possível extrapolar o orçamento sem nem perceber. E há outras vantagens no uso do dinheiro. Vamos mostrar quais são elas agora. Anote as dicas!

Garantia de aceitação

Não tem esse negócio de máquina sem conexão ou impedimentos com determinadas bandeiras de cartão. O dinheiro é aceito em qualquer lugar: hipermercados, açougues, gigantes varejistas e até aquela lojinha pequena de bairro ou de cidade de interior.

Ainda tem a questão do transporte público. Se o vale não passar por qualquer falha técnica, você pode ficar no meio do caminho. Com dinheiro na mão, é possível fazer o pagamento e chegar até o destino sem problemas.

Ter algumas notas no bolso pra situações emergenciais é sempre válido. E, pra sacar, não tem mistério: sempre tem um caixa do Banco24Horas no seu caminho pra garantir comodidade no dia a dia.

Possibilidade de descontos

Aceitar pagamento com cartão envolve custos aos empresários. Tem o valor da máquina em si, as taxas por transação e ainda a questão de que o valor não cai na conta do negócio na mesma hora.

Por causa do baixo custo e da alta liquidez, muitas empresas dão descontos pra pagamento à vista e no dinheiro. Além disso, é possível aproveitar o maior poder de negociação.

Quer um exemplo? Imagine que você deseja comprar algo que custa R$70, mas só tem R$67 no bolso. Dá pra oferecer esse valor pela compra e torcer para que o vendedor aceite. Essa tática costuma dar certo, viu?

O custo de trabalhar com dinheiro é praticamente zero, tanto para os lojistas quanto para os consumidores. Todo brasileiro que tem conta corrente pode fazer, no mínimo, quatro saques grátis por mês no caixa eletrônico. Já o cartão de crédito tem custos com anuidade, emissão de segunda via no caso de perda ou furto, juros e multas por atrasos etc.

Maior segurança de dados

Já imaginou receber cobranças na sua fatura do cartão de crédito de compras que nem sequer fez? É uma situação chata, mas acontece mais que se imagina.

As razões podem ser roubo de dados do cartão ou até clonagem. Porém, não dá pra cometer esse tipo de fraude com o dinheiro em espécie. Sendo assim, é possível ter uma maior autonomia de gastos e privacidade ao evitar meios eletrônicos de pagamento.

Garantia de inclusão financeira

Com a inovação bancária, os mundos físico e digital agora estão integrados. Assim, existem diversas tecnologias de pagamento seguras e bem rápidas. Dá até pra fazer saques em caixas do Banco24Horas sem cartão, com o auxílio do aplicativo da instituição financeira, por exemplo.

Mas a verdade é que a inclusão digital ainda não atingiu 100% da população. Por isso, o dinheiro em espécie diminui a desigualdade social, já que inclui na economia as pessoas que não têm acesso às tecnologias.

Viu só? Conquistar a liberdade financeira é um sonho que pode virar realidade com planejamento e autocontrole. Apesar de um sacrifício aqui e outro ali, o prêmio final vale a pena: mais conforto, tranquilidade e qualidade de vida.

Gostou das nossas dicas? Então, que tal ajudar seus amigos a também ganharem autonomia no campo das finanças? Compartilhe este artigo nas redes sociais e divida esse conhecimento!

Fique por dentro das nossas novidades.

Mais Lidos

como tirar dinheiro do caixa eletronico de graça
Caixa eletrônico
Afinal, como tirar dinheiro do caixa eletrônico de graça?
vantagens de usar dinheiro
Educação financeira
4 vantagens de usar dinheiro pra pagar as compras